Skip to main content

Quilombo Onça fala de risco de morte e novas ameaças

Quilombo Onça | Foto: CPT-MA

“Vão deixar tombar mais um quilombola que tá lutando por seu território?” O questionamento é de um morador do Quilombo Onça, localizado no município de Santa Inês, em sua fala durante entrevista no Jornal Tambor, na segunda-feira (10/06).

Ele lembrou do ataque que seu Antônio Ales Ferreira Lima, morador do quilombo, viveu no dia 30 de maio. O quilombola foi brutalmente atingido na cabeça. Ficou ensanguentado, com a visão e um dos ouvidos comprometidos.

Essa foi apenas uma das diversas violências que os quilombolas têm vivido no Maranhão. Segundo denúncia dos moradores, um fazendeiro está destruindo as plantações de roças da comunidade e colocando jagunços no território. 

No Jornal Tambor de segunda, entrevistamos moradores da comunidade e João da Cruz, do Movimento Quilombola do Maranhão (MOQUIBOM).

(Veja, ao final deste texto, o Jornal Tambor com a íntegra da entrevista de João da Cruz e moradores do Quilombo Onça)

“Nos homens, eles disseram que vão dar tiro na testa. Já nas mulheres, eles disseram que irão levar pro mato e abusar. A história que estamos sabendo é essa”. Expôs o morador do Quilombo Onça, falando sobre as constantes ameças feitas pelos jagunços.

Ele destacou que a comunidade quer justiça diante da situação. Por conta do clima de medo, os quilombolas não têm saído de casa, não estão tendo liberdade de transitar em suas terras. “Estamos com medo de sair e não voltar para casa”, afirmou.

Já o integrante do MOQUIBOM ressaltou como a comunidade está vivendo de doações, pois não conseguem trabalhar em sua roça. “Tá todo mundo acuado. Não podem sair nem para suas roças”, disse ele. “O fazendeiro colocou gados nas terras e destruiu tudo”, destacou João.

Leia também: Maranhão da Grilagem! Quilombolas ameaçados de morte em Santa Inês 

João da Cruz lembrou que representantes do governo do Maranhão já estiveram no território. No entanto, ele diz que nenhuma providência foi tomada até o momento.

O dirigente do MOQUIBOM diz também que o Movimento já fez diversas denúncias sobre o caso. “O que está ao nosso alcance fizemos”. Ele enfatizou que “qualquer situação que aconteça, pior do que já aconteceu, vamos responsabilizar o Estado”.

O outro lado

A Agência Tambor enviou email para o governo do Maranhão para saber quais medidas concretas serão adotadas nesse caso de violência no Quilombo Onça. Até o fechamento da matéria não obtivemos resposta. Editaremos o texto quando chegar a resposta.

(Confira abaixo a edição do Jornal Tambor, com a entrevista completa de moradores do Quilombo Onça e João da Cruz)

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
José de Jesus Cordeiro Andrade

Quilombo Onça. Seus moradores sob a violência de fazendeiro (o governo do estado inoperante e mouco) pois está na hora de se dizer o nome dos criminosos, sejam madereiros fazendeiros sojeiros. Todo e quaisquer. “Um fazendeiro” é vago.


1
0
Would love your thoughts, please comment.x

Acesso Rápido

Mais buscados